quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Economia do Japão cresce pelo 7º trimestre seguido e perspectiva continua forte

Os gastos do consumidor caíram pela primeira vez em sete trimestres, mas a expectativa é que a queda seja passageira 
Economia do Japão
 A economia do Japão cresceu mais rapidamente do que esperado no terceiro trimestre devido a fortes exportações, registrando o período mais longo de crescimento ininterrupto em mais de uma década.

A economia expandiu-se a uma taxa anualizada de 1,4 por cento no trimestre encerrado em 30 de setembro, um pouco acima da estimativa mediana para crescimento anualizado de 1,3 por cento, mostraram dados do governo divulgados nesta quarta-feira.

O crescimento anualizado registrado no segundo trimestre foi revisado para 2,6 por cento.

Os gastos do consumidor caíram pela primeira vez em sete trimestres, mas a expectativa é que a queda seja passageira, já que a economia está próxima do pleno emprego, o que deve reforçar o consumo doméstico no futuro.

O aumento das despesas de capital e as exportações também deverão manter a economia crescendo, o que deve aliviar algumas preocupações com a baixa inflação.

“A taxa de crescimento potencial do Japão é de cerca de 1 por cento, então os resultados para o terceiro trimestre mostram que a taxa real de crescimento está bastante alta”, disse Hidenobu Tokuda, economista sênior do Mizuho Research Institute.

“O mercado de trabalho está indo tão bem que os gastos dos consumidores com certeza vão crescer no futuro. As despesas de capital ainda parecem saudáveis. A economia está indo bem.”

O Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 0,3 por cento em relação ao trimestre anterior, em linha com a estimativa mediana, depois de ter crescido 0,6 por cento no segundo trimestre, mostraram os dados divulgados nesta quarta-feira.

Os resultados mostraram que a economia do Japão cresceu pelo sétimo trimestre consecutivo, o período mais longo de expansão desde os oito trimestres de crescimento registrados entre o segundo trimestre de 1999 e o primeiro trimestre de 2001.

A demanda externa - ou exportações menos importações - foi o que mais impulsionou a expansão econômica, adicionando 0,5 por cento ao crescimento do PIB.

O consumo privado, que representa cerca de dois terços do PIB, caiu 0,5 por cento em relação ao trimestre anterior, ante expectativa de contração de 0,3 por cento, no primeiro declínio desde o último trimestre de 2015.

O declínio foi impulsionado por menores gastos em restaurantes e hotéis, bem como gastos reduzidos em carros e telefones celulares, disse um funcionário do governo. O mau tempo durante o trimestre pode ter prejudicado os gastos, acrescentou.

As despesas de capital aumentaram 0,2 por cento no terceiro trimestre ante o trimestre anterior, abaixo da estimativa mediana de crescimento de 0,3 por cento. No entanto, o resultado marcou o quarto trimestre consecutivo de crescimetno dos investimentos.
Fonte: Alternativa com Reuters

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Panasonic vai aumentar produção de baterias para atender demanda da Tesla

Empresa disse que a demanda automotiva ajudou o lucro operacional de julho a setembro a subir 6%
Panasonic maior fabricante de baterias de íons de lítio do mundo
 A Panasonic disse na terça-feira que a produção da fábrica de baterias de 5 bilhões de dólares, que opera em parceria com a montadora de veículos elétricos Tesla, vai aumentar em breve, uma vez que as causas que limitaram a produção foram compreendidas.

A Panasonic, maior fabricante de baterias de íons de lítio do mundo, produz as células de bateria que a Tesla utiliza para montar as baterias de seus carros.

A Tesla, no início deste mês, culpou os gargalos industriais por limitarem a produção trimestral de seu sedã popular Model 3 a 260 veículos, em vez de atingir sua meta de 1.500 unidades.

O presidente-executivo da Panasonic, Kazuhiro Tsuga, disse em um relatório de resultados que os atrasos na automação da linha de produção da bateria fizeram com que alguns estágios tivessem que ser concluídos manualmente.

“Este processo (para baterias) será em breve automatizado, e então o número de veículos a serem produzidos aumentará bruscamente”, disse Tsuga. Ele não quis

Os comentários foram feitos quando a Panasonic afirmou nesta terça-feira que a demanda automotiva ajudou o lucro operacional de julho a setembro a subir 6 por cento, superando as estimativas dos analistas. A empresa manteve sua previsão de lucro de 335 bilhões de ienes (2,96 bilhões de dólares) para o ano fiscal que termina em março.
Fonte: Alternativa

sábado, 21 de outubro de 2017

Shiseido construirá primeira fábrica no Japão em 36 anos

Para atender a demanda com o aumento das vendas para estrangeiros, a Shiseido vai construir sua primeira fábrica em 36 anos na província de Tochigi
A Shiseido Co. investirá cerca de 40 bilhões de ienes ($353 milhões) na construção de sua primeira fábrica em 36 anos para atender a crescente demanda por parte dos (turistas) estrangeiros, anunciou a gigante dos cosméticos na quinta-feira (19).

A fábrica será construída em Otawara (Tochigi) e poderá ser aberta no ano fiscal de 2019.

Ela é projetada para satisfazer a crescente demanda por produtos da Shiseido tanto no Japão quanto no exterior, disse a empresa, salientando que as vendas para estrangeiros são particularmente sólidas.

Loções e outros produtos para pele vendidos em farmácias nacionais e outros locais serão produzidos nessa fábrica de Tochigi, que ocupará uma área de 38 mil metros quadrados.

A Shiseido tem observado que suas vendas para turistas do exterior, principalmente os da China, estão crescendo de forma substancial.

Cerca de um quarto das vendas globais da Shiseido na primeira metade deste ano foram para clientes chineses.
Fonte: Portal Mie com Asahi

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Toyota vai produzir o subcompacto Yaris no Brasil

Toyota Yaris
Uma fábrica existente em Sorocaba, no estado de São Paulo, vai abrigar a nova linha de produção para o Yaris

A Toyota Motor está investindo 1 bilhão de reais (316 milhões de dólares) em uma nova linha brasileira de produção para o Yaris, o qual a montadora japonesa vê como idealmente posicionado para levar vantagem da crescente demanda.

Uma fábrica existente na cidade de Sorocaba, no estado de São Paulo, vai abrigar a nova linha, anunciou a Toyota na segunda-feira (25). A capacidade de produção da fábrica se manterá acima de 100.000 unidades por ano. Contudo, a cota assumida pelo subcompacto Etios será encolhida para acomodar o Yaris, cuja produção terá início em julho de 2018.

O Etios, um modelo comercializado em massa, e o de alta gama, Corolla, contam pela maior parte das vendas da Toyota no Brasil. O Yaris vai ocupar a faixa de preço mediana.

Isso faz parte da estratégia da Toyota para se recuperar nos mercados emergentes. A fabricante de veículos, anteriormente, tentou construir participação de mercado com o Etios e outros modelos estratégicos, mas teve problemas em acertar o balanço certo entre a alta qualidade e preços baixos.

Em agosto, a Toyota começou a vender o Yaris Ativ na Tailândia, com preço inicial de aproximadamente 13.000 dólares. Essa faixa de preço torna o modelo o sedan mais acessível oferecido pela Toyota na Associação de Nações do Sudeste Asiático.
Fonte e imagem: Portal Mie com Nikkei

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Gifu procura estrangeiros interessados em seguir carreira de bombeiro

Cidade liberou o trabalho na área para residentes de outras nacionalidades por falta de candidatos
Corpo de Bombeiros
Desde o início deste ano fiscal (abril/2017), a cidade de Gifu (capital da província de mesmo nome) passou a aceitar o recrutamento de estrangeiros para trabalhar no Corpo de Bombeiros, mas ainda não recebeu nenhuma solicitação.

Segundo reportagem do jornal Asahi, a decisão foi tomada no meio político depois de uma análise relacionada à falta de mão de obra nas instituições onde os bombeiros atuam.

Em 2009, um Comitê de Análise do Corpo de Bombeiros foi montado para decidir questões como a entrada de estrangeiros na área.

Na época, o trabalho dos bombeiros foi considerado como “exercício de força pública” e ficou decidido que a cidade não aceitaria trabalhadores que não tivessem nacionalidade japonesa.

Em abril do ano passado, um homem turco mostrou interesse na carreira, mas teve a solicitação negada.

Em junho do ano passado, o assunto foi discutido na câmara municipal e os vereadores concluíram que a atuação de estrangeiros poderia melhorar a capacidade de prevenção de desastres. Algumas condições foram elaboradas, como a necessidade do candidato ter visto permanente, e a atuação dos estrangeiros passou a ser vista como positiva.

“Além de resolver as questões de falta de mão de obra, ainda podemos melhorar a prevenção de desastres com uma corporação mais multicultural”, analisou o funcionário da prefeitura responsável pela demanda.

No momento, a cidade aguarda a manifestação de interesse por parte de estrangeiros residentes para que seja possível ingressar na carreira. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 058-214-4925 (em japonês).
Fonte: Alternativa

sábado, 29 de julho de 2017

Salário mínimo médio do Japão sobe para 848 ienes

Salário do Japão
A decisão foi anunciada na noite de terça-feira pelo Conselho Central do Salário Mínimo do Japão, com aumento de 25 ienes a hora
O Sub-Comitê do Conselho Central do Salário Mínimo, ligado ao Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar, decidiu na terça-feira (25), o aumento de 25 ienes para a média do salário mínimo, elevando-o a 848 ienes a hora. Esta decisão é para o ano fiscal de 2017. É o maior aumento desde 2002 e ficou dentro da meta do governo, que era de 3%.

Com essa decisão, o governo espera promover melhorias nas condições para os empregados não regulares, como aqueles que trabalham em tempo parcial (part time)  ou arbeit (arubaito) que ganham pouco mais que o salário mínimo atual. Além disso, espera avançar para a redução da diferença salarial entre empregados regulares e não-regulares.

Novo salário mínimo a partir de outubro
A média salarial atual é de 823 ienes a hora e o Conselho de cada província determina o seu piso salarial mínimo. O governo espera implantar este novo valor já a partir de outubro deste ano.

O conselho, considerando a economia de cada região, dividiu as províncias em grupos de A a D, para a implantação do novo salário mínimo. No grupo A estão Tóquio, Kanagawa, Osaka e mais 3, com 26 ienes de aumento; no grupo B entraram Ibaraki, Shizuoka, Hyogo e mais 8 províncias, com 25 ienes a mais; no grupo C estão Hokkaido, Tokushima, Fukuoka e mais 11 províncias, com 24 ienes e no grupo D entraram Aomori, Ehime, Miyazaki e mais 13 províncias, com 22 ienes de aumento.
Com novo salário mínimo espera-se reduzir as diferenças

Em março deste ano, o governo anunciou que tem em mente chegar a mil ienes a hora, como média do país, com a execução da reforma trabalhista.

O número de trabalhadores não regulares no Japão é de cerca de 40%. Esse público recebe cerca de 60% a menos que o trabalhador regular. Segundo o jornal econômico Nikkei, está abaixo dos países europeus onde a margem é de 70 a 80%.

Com kaizen nesse aspecto, na redução dessa diferença, há expectativa de aquecimento da economia do país.
Fonte: Portal Mie com Nikkei Shimbun e Yomiuri

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Produção industrial aumenta no Japão, mostram dados do governo

A produção industrial aumentou e o número de vagas por candidato avançou para a maior alta em 43 anos
Produção industrial aumenta no Japão

A produção em fábricas no Japão aumentou no mês de maio em comparação ao ano anterior e o número de vagas por candidato avançou para a maior alta em 43 anos, refletindo escassez de mão de obra enquanto a economia ganha momento graças às fortes exportações para o restante da Ásia, divulgou o jornal Asahi.

O aumento ano a ano de 6.8% na produção em fábricas divulgado na sexta-feira (30) foi o 7º mês consecutivo de ganhos, embora a produção tenha caído 3.3% em maio ante o mês anterior, em parte devido ao feriado de Golden Week.

Segundo o governo, apesar da proporção alta de vagas por candidato, a 1.49 para 1 (149 vagas para 100 candidatos), a mais alta desde fevereiro de 1974, o índice de desemprego aumentou de 2.8% em abril para 3.1% em maio.

O governo revisou sua mais recente estimativa para o crescimento anual real no trimestre janeiro-março para 1% em comparação à estimativa anterior de 2.2%. Um fator fundamental que limita demanda em potencial é o salário, que continuou relativamente estável.

A falta de mão de obra vem piorando enquanto a idade da população em idade de trabalho vem aumentando, mas as empresas não aumentaram os salários de funcionários permanentes, embora o salário por hora pago aos part-timers e trabalhadores por contrato ter subido.

Isso complicou os esforços para estimular inflação, a principal estratégia de crescimento adotada pelo governo do primeiro-ministro Shinzo Abe e o banco central.

Preços mais altos do petróleo empurraram o índice de inflação em maio para 0.4%, mas excluindo tanto os custos voláteis de alimentos e energia, a inflação se manteve estável, de acordo com o Ministério de Assuntos Internos e Comunicações.

Outros dados mostraram os gastos do consumidor avançando 0.1% a menos no mês de maio, ante o ano anterior, enquanto a renda familiar caiu 1.7% em comparação a 2016.
Fonte: Portal Mie com Asahi